Para que psicólogo do esporte?

Cada vez mais o esporte de rendimento e as práticas corporais que visam aprimorar a saúde e a qualidade de vida vêm despertando atenção e interesse de profissionais de diversas áreas como a medicina, fisiologia, nutrição, biomecânica, fisioterapia e psicologia do esporte. Todas essas áreas buscam aprimorar o rendimento do atleta e a qualidade de vida de praticantes de atividade física.

Oportunizar ao atleta suporte psicológico é tão significativo quanto o papel do nutricionista com sua indicação de uma dieta equilibrada e do preparador físico com sua planilha de exercícios orientados. A dimensão psicológica pode influenciar no rendimento de um atleta, portanto deve ser treinada como as dimensões técnica, tática e física.
Benno Becker Jr., presidente da Sociedade Brasileira de Psicologia do Esporte, postula que “há uma disciplina chamada psicologia aplicada ao exercício e ao esporte e esta investiga as causas e os efeitos das ocorrências psíquicas que apresenta o ser humano antes, durante e após o exercício ou o esporte, sejam estes, de cunho educativo, recreativo, competitivo, ou reabilitador” (1999, p. 17). A Psicologia do Esporte tem por objetivo investigar e intervir em todas as variáveis que estejam ligadas ao indivíduo que pratica uma determinada modalidade esportiva e, em seu desempenho.

Bompa (2002) declara que, o treinamento psicológico é necessário para assegurar um desempenho físico elevado, melhorando a disciplina, a perseverança, a força de vontade, a confiança e a coragem. Para Samulski (2002), diz que o objetivo do treinamento psicológico é desenvolver e melhorar as habilidades e competências psicológicas – cognitivas, motivacional, emocional e social – de atletas, técnicos e equipes, por meio da aplicação de técnicas e programas de treinamento psicológico, tendo como principais objetivos: desenvolvimento e melhoria das capacidades cognitivas, emocionais, motivacionais e sociais de atletas e técnicos; a estabilização do comportamento emocional durante a competição – autocontrole emocional; adiantamento do processo de reabilitação e recuperação e aperfeiçoamento dos processos de comunicação – liderança e comunicação.

Esta nova ciência tem abarcamento maior do que o esporte de rendimento. O psicólogo esportivo pode atuar também nas práticas de tempo livre, na iniciação esportiva, na reabilitação e outros.

No esporte de rendimento o foco do trabalho do psicólogo esportivo é contribuir para atletas, técnicos, demais integrantes da comissão técnica e para os dirigentes esportivos percebam que as dimensões físicas e mentais são as duas faces de uma mesma moeda, e cuidar do atleta significa percebê-lo como um todo unificado, do qual fazem parte as emoções e estruturas mentais.

As estratégias utilizadas pelo psicólogo objetivam a redução de ansiedade e estresse, a melhoria do autocontrole, a melhora da autoconfiança, a intensificação da concentração, o treinamento de atenção, da motivação, entre outros aspectos. Para esportes coletivos também são analisados aspectos que favoreçam o desenvolvimento do grupo, a coesão da equipe, a solução de conflitos, a eficácia do uso do tempo de treinamento e descanso, e o desempenho em períodos de treinos e competições, entre outros.

Nas práticas de tempo livre o foco do psicólogo esportivo é assessorar os indivíduos que fazem exercícios físicos buscando melhoraria da qualidade de vida. As estratégias terão como objetivo promover a saúde colaborando nos processos de adesão as atividades físicas.

Na iniciação esportiva seu foco será desenvolver juntamente com outros profissionais métodos adequados para crianças e jovens que iniciam nas atividades físicas e esportivas em clubes ou instituições, respeitando sua fase de desenvolvimento físico e psicológico.

Já na reabilitação o psicólogo esportivo poderá intervir na reabilitação do atleta ou o praticante de esporte lesionado, pois além da dor e sofrimento o componente emocional e psicológico pode oportunizar desequilíbrios ao indivíduo. E também, na reabilitação através do esporte, ou seja, o foco será na reintegração social e inclusão de indivíduos com deficiências em programas de praticas esportivas exaltando seu efeito terapêutico e lúdico. Os indivíduos que necessitam da atividade física como prescrição médica – obesos, cardiopatas e diabéticos – para promoção e prevenção da saúde e para melhorar o estilo de vida também são acompanhados.

Por Vanessa Guilherme de Souza
Psicóloga